17 de ago de 2009

Clarah Averbuck para todos os homens do mundo.

Deus, tenha piedade de mim. Eu vou morrer sozinha, deus? Todos os meninos são assim? O senhor não fez nenhum que não
fuja de problemas? Nenhum que não tenha medo de correr riscos, de quebrar a cara, de acelerar em direção a um muro e desviar no último segundo? Qual o problema desses caras? Desisto. Me demito. A conta, por favor.
(...)
Fiquei olhando ele atravessar a rua. Indo embora. De novo. De novo esta merda. Os homens devem ter um sindicato. Eles decoram o texto, recitam com a mão no peito e ganham uma carteirinha secreta. No livro de regras deve ter coisas como “nunca fique com uma mulher que possa quebrar seu frágil coração maricas”, “observe a reação dos ex-namorados e ex-casos dela. Se forem todos ressentidos, dê no pé imediatamente” e “fuja de mulheres intensas, elas são todas malucas”.

5 comentários:

brunobandido disse...

eu já li esse livro, de certa forma eu entendo ele. só que o que ela não se dá conta é que os riscos dos homens são diferentes dos das mulheres. e esse risco que ela insinua, de não querer se apaixonar ou quebrar o coração ou o caralho, é bobo pra nós. porque se isso acontecer, a quantidade de riscos realmente excitantes diminui pra caralho, e fica tudo resumido só numa coisa.

e ela generalizou também, tá cheio de homem cuzão por aí que quer essa vidinha que ela insinua.

acho que nao sei explicar por escrito aqui, mas é isso.

lidi ;) disse...

deve ter um "fuja das mulheres independentes, aquelas que te querem junto, mas que conseguem viver sem ti"

Também quero a demissão!

;*

miss_lioncourt disse...

cara, tuuuuudo passa e quando passar tu vai ver o quanto é necessário esse sofrimento delicioso que esses malditos sapos nos causam. beijaaaao

Adriana Gehlen disse...

já postei isso no meu blog também
é amiga, complicado.

Adriana Gehlen disse...

adoro o que tu escreve.