27 de fev de 2009

26 de fev de 2009

Sobre os confetes do fim do carnaval

Mexo e remexo em plavras procurando a deixa certa. Queria explicar, declamar, divagar.
Mas falar de amor é mais fácil. Vivemos e desvivemos todos os dias. Todos os amores. Dificil mesmo é falar de abraço sincero. De boa companhia. De boa risada. Complicado é encontrar alguém que o destino destine. Que seja tão real e surpreendente que pareça mentira, piada de criança.
Sob uma chuva de confetes tive a certeza que aquela amizade era pra sempre.
E mesmo que nossos sonhos matrimoniais não se realizem e que hoje viver nesse mundo tão ao contrário nos confunda a cabeça, sei que sairemos sempre vivas.
Brindando as coisas coloridas da vida.
Da quinta feira de carnaval fica o confete rosa preso no meu ombro.
Fica também a vontade de girtar pro mundo:
Eu encontrei dentro desse labirinto alucinante mais uma das minhas.

“May God bless and keep you always,
May your wishes all come true,
May you always do for others
And let others do for you.
May you build a ladder to the stars
And climb on every rung,
May you stay forever young,
Forever young, forever young,
May you stay forever young.”

19 de fev de 2009

Lucy in the Sky with Dimonds

Eu queria um corpo do meu lado
Nesse minuto.
Algum corpo que encaixasse no meu e
me fizesse esquecer que o vento que sai do ar condicionado machuca minha pele.
Algum.
Não todos.
O teu.
ÉISSO.
Eu queria o TEU corpo no MEU corpo.
Arrepiando todos os pelos.
Tu já pode desligar o ar viu.
Eu já estou com frio e esse corpo que não chega.
Que não me aquece.
Onde tu ta?
O-N-D-E-T-U-T-A-?
Ta dormindo?
Em que parte do Brasil?
Em que lugar do mundo?
Acorda!
Vem!
Me bebi de café da manhã.
Eu arrumo tua gravata e te dou um beijo na testa.
Eu sou o inesperado.
Será que tu ainda não percebeu.
Eu mudo os caminhos.
Ou melhor
eu inverto as placas de direção.
E tu te perde.
E se afoga.
E morre.
Será que tu consegue ser egoista até quando morre afogado?
Caralho!
Me deixa sozinha nadando em uma falsa impressao de refresco quando a previsão é de calor intenso.
Um copo dágua por favor!

18 de fev de 2009

Devaneios restantes

Eu criei expectativas sim.
Que que eu posso fazer agora?
Elas já estão dentro de mim.
Entrando em ebulição enquanto espero os dias trocarem.

Tu acha que pra mim era fácil?
Te ver constantemente tão perto e tão distante.
Porque com a gente as coisas sempre foram tão, não é?
Tão derepente.
Tão forte.
Tão cheio de sintonia.
Tão fantasiosamente real.

Tinha dias que eu nem acreditava que tu existia.
Eu chegava em casa depois de uma quadra de caminhada e pensava que não era possivel.
Como pode?
Alguém conseguir tirar o que há de mais profundo e mais superficial em mim.
Sem ter que beijar a minha nuca, tirar minha blusa.
Como pode?
Eu vivendo relações carnais mas gozando em uma relação puramente imaginaria.

Não que isso não seja necessario e que eu não quisesse dormir contigo em todos os cantos daquela casa, mas é que só o fato de ficar lá, olhando pra tua cara me dizendo como eu era a-f-u-d-e já me bastava.
Me bastou.

Mas tudo bem. Eu to aqui.
Tu ta ai.
Expectativas são apenas momentos.
Momentos passam.
Isso foi o passar de um devaneio.
Preenchendo uma saudade.
Passageira do que ainda não voltou.

7 de fev de 2009

En chile

Uma miragem em meio ao calor desorientante do deserto.

2 de fev de 2009

Até logo.

Levarei comigo as tuas desculpas esfarrapadas, teu sorriso desajeitado e tua falta de iniciativa.
Colocarei na mala todas as vezes que meu olhar não encontrou teu olhar perdido.
Enterrarei nas areias do deserto aquilo que eu mais gosto em ti.
Deixarei tudo lá.
Queimando e derretendo no frio das noites estreladas.

Não me espere a mesma.
; )


“Nosso amor não deu certo
Gargalhadas e lágrimas
De perto fomos quase nada
Tipo de amor que não pode dar certo na luz da manhã
E desperdiçamos os blues do Djavan
(...)
Nosso amor é bonito
Só não disse ao que veio
Atrasado e aflito
E paramos no meio
Sem saber os desejos
Aonde é que iam dar”