11 de dez de 2009

fera ferida.

Eu vou te contar que você não me conhece
E eu tenho que gritar isso
Porque você está surdo e não me ouve
A sedução me escraviza a você
Ao fim de tudo você permanece comigo
Mas preso ao que eu criei e não amei
E não a mim
E quanto mais falo sobre a verdade inteira
Um abismo maior nos separa
Você não tem um nome e eu tenho
Você é rosto na multidão
E eu sou o centro das atenções
Mas há mentira na aparência do que eu sou
E há mentira na aparência do que você é
Porque eu não sou o meu nome
E você não é ninguém
O jogo perigoso que eu pratico aqui
Busca chegar no limite possível de aproximação
Através da aceitação da distância
Ou do reconhecimento dela
Entre eu e você
Existe a notícia que nos separa
Eu quero que você me veja nu
Eu me dispo da notícia
E a minha nudez parada
Me denuncia e te espelha
Eu me dilato
Tu me relatas
Eu nos acuso e confesso por nós
Assim me livro das palavras
Com a as quais você me veste.

[Fauzi Arap]


2 comentários:

brunobandido disse...

porra, fauzi arap é do caralho.
e mais uma vez fica aqui meu protesto contra a bethânia no final.

beijo
alice.

Everton Merlin disse...

Se eu te contar tu nunca vai acreditar:

É com essa poesia declamada pela Bethania que eu e uma colega minhas das artes estamos fazendo uma vídeo performance para uma cadeira lá do curso.


Acasos que nem a vida explica...